As estrelas, as galáxias, o universo

Maria Helena Bandeira –


 

Maria Helena Bandeira

Quando a gente está sozinha em casa, todos os barulhos são importantes.

Os móveis rangem, o tapete ganha vida, os pingentes do lustre estalam perversamente.

O silencio é povoado de sons e no momento que a campainha tocou foi como se uma bomba explodisse dentro do meu ouvido. Levantei-me num choque e fui atender ao seu chamado.

Antes, espiei pela janelinha:

Lá estava eu, do outro lado, aguardando que a porta se abrisse.

Procurei me acalmar e usei um ardil.

“Quem é?”

Mas eu não me intimidava e respondi que era Antonio, o porteiro.

Não tive remédio senão abrir a porta.

Continuando o plano anterior, fingi não ter me reconhecido.

O pretexto era banal: a água iria ser fechada por uma hora para consertos no prédio.

Desprezei a falta de imaginação e também representei meu papel. Agradeci e fechei a porta delicadamente.

Então era assim.

Corri até o banheiro e olhei minha imagem refletida no grande espelho sobre a pia. No cristal eu estava obediente e senhora de mim. Seguia meus movimentos com precisão. Ali fora capturada e permanecia tranqüilamente às minhas ordens.

Fiz mais alguns movimentos, todos repetidos simetricamente pelo meu inverso. Tranqüilizada, voltei ao trabalho e aos ruídos familiares do meu silêncio interior.

Na hora do almoço, a dúvida me assaltou: quando passasse pela portaria será que eu estaria lá, fingindo ser o porteiro-chefe?

Havia um meio de descobrir.

Desci e lá estava eu sentada no banquinho ao lado do portão.

Procurei não dar importância e saí calmamente para o restaurante onde fazia as refeições.

Quando o garçom chegou, foi preciso usar astúcia novamente: o garçom também era eu.

Disfarcei e olhei para os lados: os fregueses, sentados nas mesas ao redor, todos eram eu e fingiam não me reconhecer.

Resolvi agir como eles e continuei nossa comédia. Escolhi os pratos, almocei, paguei a conta e saí, como se nada de estranho tivesse acontecido.

Na calçada, entre um e outro transeunte, eu me avistava a andar apressado.

O jornaleiro era eu e nos cumprimentamos indiferentes.

Passeava pela rua e nos meninos que brincavam com a bola, na garota de bicicleta, na jovem de mini-saia, em muitos me reconhecia, mas já não importava.

Todas as pessoas, aos poucos, rapidamente, cada vez mais depressa, iam se tornando meu espelho.

E vagavam, separadas de mim, em corpos que eu não controlava.

As lojas eram eu.

Cada tijolo e pedra da calçada também eram meu outro.

E eu era as árvores e os telhados. O céu era eu e as estrelas que brilhavam sobre minha cabeça. E eu era o Sistema Solar, era a Galáxia e o Universo.

Eu era tudo e, então, finalmente, era Ninguém.


© Maria Helena Bandeira 2001, 2002.

Maria Helena Bandeira  carioca, jornalista, artista plástica e escritora.
Menção especial do Prêmio Guararapes (União Brasileira dos Escritores) – livro de poesia inédito).
Conto brasileiro do mês da “Isaac Asimov Magazine”.
Colaborou para o fanzine “Somnium” e em vários outros sites literários, como blocos Online, onde se dedicou a uma série literária.

Envie para:

One thought on “As estrelas, as galáxias, o universo

Deixe uma resposta para Thiago Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.