Expediente

    Assinatura

    Troca de endereço
     Números atrasados

    Assessoria de Imprensa
    Jornalista Responsável

    Editor

    Co-editor

    Co-editora

    Publicidade

Nossa casa é o lugar onde estamos felizes

Antonio Marcelo

14/02/2008




Já me acostumei a acordar de tempos em tempos em um universo diferente. No início fiquei perdido e assustado, mas depois de um certo tempo comecei a aproveitar as potencialidades dos diversos lugares que visito e sempre acabo vivendo bem. Não sei como consigo fazer isto, nem como esta história começou, mas o mais importante é que eu consigo guardar as impressões e lembranças de cada um dos locais que estive.

Das coisas que aprendi e pude utilizar, posso destacar a imortalidade, é sou imortal, consegui isto num universo que graças a uma operação você acaba com o envelhecimento físico. Em outro universo aprendi conhecimentos de transmutação química, noutro estudei diversas coisas básicas e em muitos outros acumulei uma série de conhecimentos úteis, que tem sempre me auxiliado.

O único desconforto é que quando realizo uma transição (assim que eu chamo as minhas mudanças), são os primeiros momentos de confusão e adaptação em um novo universo, mas depois de um tempinho a coisa fica mais calma. Normalmente o tempo que eu passo nestas realidades distintas é muito variável, em um local fiquei apenas 1 dia e em outro cinco anos (dos antigos anos do meu planeta Terra original), atualmente eu estou há 1 ano e 15 dias num universo em que a humanidade não descobriu a energia elétrica. É meio monótono aqui, sinto falta de ver uma televisão ou ouvir um rádio, porém não podemos ser felizes em tudo. Eu estou tentando introduzir a eletricidade por aqui e já consegui alguns progressos.

Esta história de ficar pulando de realidade já está com mais de 130 anos, desde que fiz a primeira transição, e depois disso continuo a viajar entre “mundos”. Uma coisa que sempre me frustrou nesta história toda : nunca encontrei com um outro “eu”, similar a mim, em todos estes universos paralelos.

E assim o tempo foi passando e cá estou eu novamente, esperando uma nova transição, mas até agora nenhum sinal. Estava passando minhas férias na casa do Barão Ligne, um nobre, dono de uma enorme ferrovia, que atravessava o continente da África. Ele morava numa Paris alternativa, onde Napoleão havia conquistado a Europa, mas tinha tempos depois a perdido para uma coligação Russa―Alemã, que partiu o continente em dois grandes impérios . Estava  no salão de chá conversando com ele. O Barão era um homem de seus 40 anos, magro, cabelo longo anelado, olhos azuis e um pequeno nariz aquilino. Trajava um elegante terno preto  e bebericava comigo um chá de hortelã.

― Mas me diga meu caro Alberto ― pergunto o barão a mim ― a tal eletricidade poderá fazer por mim ?

― Meu nobre barão, o senhor ficará mais rico e impulsionará nosso mundo a uma nova realidade.

― Entendo ― o nobre franziu a testa ― eu estou me acostumando sua idéia ― pausou ― mas uma coisa me incomoda e ainda não discutimos este assunto : quanto você quer por ela ?

― Meu senhor, não estranhe o que eu vou lhe dizer agora ― iniciei ― mas gostaria apenas de sua hospitalidade enquanto eu estiver por aqui .

― Viajará? ― perguntou

― Sim a qualquer momento, por isso, quero deixar a eletricidade em suas mãos funcionando.

― Seu protótipo já está em uma de minhas indústrias e de acordo com meus engenheiros já está operando. A coisa em si parece ser interessante, a tal lâmpada que o senhor falou está funcionando totalmente. Vamos lançar a idéia na feira mundial mês que vem.

― Ótimo ― respondi ― o senhor não sabe o bem que fará.

― Mas o senhor irá comigo a feira ?

― Não sei senhor barão, se não precisar viajar antes disso, pode ser que eu vá sim.

O barão olhou-me espantado

― Não entendo o senhor, me dá uma invenção revolucionária e não quer aparecer ?

― Me entenda, é uma questão de necessidade e motivos pessoais ― respondi ― e outra coisa, se eu viajar e não puder me despedir do senhor, prometa que não ficará aborrecido comigo.

― Meu caro, o senhor está me dando um bem maravilhoso e quer que eu me zangue com você? ― riu ― Você é estranho meu caro...

― Não me leve a mal por favor, mas existem coisas além de meu controle

― Está bem ― levantou-se ― com sua licença irei descansar agora, fique a vontade se precisar de algo chame Gaston, meu criado.

― Boa noite sr. Barão. ― disse

― Boa Noite Alberto ― o nobre saiu da sala.

Deixou-me sozinho sorvendo os últimos goles de chá. Estava ali sentado e me coloquei a pensar nas coisas que já tinha passado e não sabia o que seria do futuro. Fiquei assim acho que por meia hora, quando Gaston, entrou na sala.

― Sr. Alberto, tem uma pessoa querendo lhe ver, acho que é um estrangeiro.

Fiquei surpreso, uma pessoa? Tinha poucos contatos neste mundo e pouca gente sabia de minha presença aqui.

― Quem é Gaston?

― Um senhor, e está muito bem vestido.

― Mande-o entrar.

― Sim senhor. Saiu da sala

Poucos minutos depois um homem alto de tez muito clara, cabelos escuros, magro e de profundos olhos negros entrou na sala. Sua aparência geral impressionava e estranhamente me senti um pouco incomodado com sua presença.

― Sr. Alberto?― perguntou, sua voz era estranhamente grossa.

― Sim sou eu ― respondi ― em que posso lhe ajudar?

― Finalmente consegui localizar a sua pessoa ― apontou para a cadeira ― posso sentar ?

― Por favor ― ofereci a cadeira ― mas não conheço o senhor...

 Ele sentou-se

― Realmente não, na realidade o senhor nunca me viu antes, mas eu estou aqui com uma proposta de seu interesse...

Olhei espantado :

― Sou todo ouvidos ― falei

― Bom meu nome é Bardon, represento uma organização que está tentando localizar o senhor há muito tempo.

― Sim Sr. Bardon, mas que organização é esta ?

― Bem sr. Alberto, nós somos os responsáveis pelas suas... ― olhou a volta ― posso falar com a certeza de que ninguém está nos ouvindo ?

― Sim a vontade ― começava a ficar cada vez mais intrigado.

― Pois bem, somos responsáveis por seus deslocamentos, suas viagens...

― Como é que é ?

― Pois é, nós sem querer o envolvemos em uma de nossas experiências, e o senhor foi tragado de sua realidade para estas constantes viagens entre universos...

Fiquei atônito e sem ação naquele momento.

― Vejo que o senhor está perdendo a cor ― falou Bardon ― por favor não fique assim, eu posso imaginar a série de problemas que o senhor enfrentou...e nós estamos querendo consertar.

― Como assim consertar ?

― Podemos levar o senhor para "seu universo" de volta e acabar de vez com este problema.

― Senhor Bardon ― iniciei ― está me dizendo que estou viajando entre universos devido a um problema operacional da sua, hãn, "empresa ?"

― Entenda, minha organização cuida destes problemas de universos paralelos há algum tempo, melhor bastante tempo e nunca tivemos algo semelhante ― olhou cabisbaixo ― estou meio constrangido, com tudo isso, mas infelizmente aconteceu e queríamos recompensá―lo de alguma maneira.

― Sr Bardon, posso até ter ficado aborrecido e confuso no início de tudo isso, mas ganhei muitas coisas boas...

― Compreendo não queremos tirá-las do senhor em nenhuma hipótese, contudo temos um probleminha que eu ainda não citei...

― Diga-me.

― O senhor provocou uma série de mudanças em diversas "realidades", ― falou ― entendo suas boas intenções, mas isto não podia continuar, por isso tivemos que consertar certas coisas. ― continuou ― neste momento o senhor está tentando trazer a eletricidade para este mundo e já começamos a trabalhar para que o gerador que o senhor passou para o Barão não funcione .

― Mas por que? perguntei

― Existem equilíbrios que só devem ser alcançados devido a fatores "naturais", e o senhor estava quebrando a harmonia de muitos universos ― parou ― não estamos aborrecidos, muito pelo contrário, a culpa é nossa por termos deixado tudo isto acontecer, mas tomamos as providências necessárias.

― Entendo, mas e agora o que o senhor pretende fazer comigo ?

― Levá-lo de volta para casa, colocá-lo de volta em "seu mundo".

― Mas gostaria de lhe perguntar algo : eu já sou uma anomalia em meu mundo, pois consegui diversas coisas que não existem em minha realidade...

― Nós sabemos disso, mas fizemos uma análise profunda e vimos que o impacto da sua volta, não causará nenhum tipo de distúrbio.

― Sr. Bardon, como poderei então viver em meu mundo depois de tudo isto que passei, já se passou muito tempo desde que saí de lá, não tenho mais ninguém de minha roda de amigos ou família, vivos.

― Nós sabemos disso, e infelizmente não podemos mexer no fluxo de tempo, até temos o conhecimento disto, mas esta mudança, poderia neste caso acarretar distúrbios inimagináveis.

― Bom pelo que eu vejo não tenho muitas opções...

― Infelizmente não...

― Bem vamos voltar então, já estou me acostumando a esta idéia de ser um "deslocado" mesmo ― disse ― quando "viajamos" ?

― Se o senhor quiser, agora.

― Tão rápido assim ― pensei ― é por que não, podemos ir.

― Por favor se afaste um pouco.

Bardon se levantou e sacou do bolso de seu paletó uma pequena caixa metálica escura, mais ou menos do tamanho de uma cigarreira. Fez alguma coisa com ela e um arco de luz azulada foi projetado numa das paredes da biblioteca. Em instantes uma passagem para uma campina verdejante estava visível na noite e podíamos ver as luzes de prédios a distância.

― Podemos ir? me convidou.

Fiquei espantado, já que se viajar entre universos parecia tão simples, a tecnologia deste povo era inimaginável. Bardon se dirigiu a passagem e depois eu o segui. Pensei em sentir algo de diferente ao atravessar o "portal", mas foi simplesmente com se tivesse saído para fora da casa do Barão. O ar era fresco e agradável, a noite estava estrelada e ouvia―se ruídos ao longe da cidade.

― Parece que poucas coisas mudaram ― comentei ― a coisa está bem calma por aqui.

― Sim, o senhor gostará daqui ― comentou meu interlocutor ― venha, vamos dar uma pequena caminhada até a casa de um membro de nossa organização. Ele irá ajudá―lo em sua adaptação e poderá orientá―lo com as...

Me senti mal, como se de repente uma sensação de vertigem me tirasse o equilíbrio. A minha visão começou a turvar e Bardon me olhou espantado. Senti que ia desmaiar e tentei―me apoiar em algo. Tudo ficou escuro e por instantes não senti nem ouvi mais nada. Estava como num vácuo escuro sem sensação aparente como num limbo. Se a morte era isto comecei a me desesperar, não havia nada, ninguém, apenas meus pensamentos confusos e desconexos.

Não sei quanto tempo fiquei assim, mas de repente comecei a ouvir uma voz me chamando ao longe.

― Sr. Alberto, acorde ― pausa ― Senhor Alberto acorde...

Procurei a origem da voz e sentia que estava a minha direita, lentamente comecei a ter sensações novamente. Parecia que tinha um corpo, braços, pernas e uma boca seca. Tentei falar, mas apenas um estranho ruído surgiu.

― Sr. Alberto ― novamente a voz, reconheci sendo a de um homem ― não tente falar, pois os senhor está saindo agora de seu tratamento.

Tratamento, que tratamento ? pensei

― O Sr, não deve recordar do acidente que quase o matou, aos poucos a sua memória irá volta, mas podemos garantir ao senhor que tudo correu conforme o esperado. Bem vamos fazer com que o senhor durma novamente, para acelerar a convalescença. Descanse agora.

― Acidente ? Que história era esta ? Onde estava Bardon ?

Comecei a sentir um formigamento pelo corpo e uma estranha sensação de sono começou a me invadir. Os pensamentos começaram a ficar mais difíceis e em instantes adormeci.

***

Duas semanas depois estava sentado na cama do hospital tomando meu café da manhã e ainda não acreditando no que acontecera.

― Pois bem Sr Alberto, depois do acidente de carro, o senhor foi trazido as pressas para cá e induzido na simulação para evitar que seu cérebro sentisse os efeitos do tratamento e das operações que o senhor foi submetido. Nós o colocamos numa simulação e o deixamos por 5 semanas, afim de que nenhum dano fosse feito ao senhor.

― Quer dizer que tudo que eu vivi foi uma simulação ? Nada existiu ?

― Sim Sr. Alberto, foi uma maneira de preservarmos seu cérebro contra possíveis traumas.

― Mas então por que a viagem entre universos ?

― Analisamos seu perfil  e descobrimos que o senhor gostava disso desde sua infância e adaptamos o sistema para tal.

― Mas uma coisa que me perturba ― disse ― a coisas era muito verdadeira...

― Eu sei o objetivo é este ― falou ― tentar isolar o senhor ao máximo do ambiente a sua volta. Isto ajuda na fase de consolidação da sua cura.

― Doutor e quando terei alta ?

― De acordo com a sua ficha dentro de uma semana o senhor já estará apto para voltar para casa, mas não poderá abusar em suas atividades por algum tempo.

― Obrigado doutor.

― Bem o deixarei agora, descanse, sua recuperação está a cem por cento e não vamos atrapalhar.

O médico saiu da sala me deixando sozinho e meio perdido em meus pensamentos. Nos últimos dias observei que meu corpo tinha pequenas cicatrizes e doía em algumas partes, mas fora isso estava muito bem.

Lembrava ainda da "minha vida" nos multiversos e vi que de certa forma sentia saudades de algumas coisas, mas aos poucos fui voltando a minha realidade tradicional. O médico me falou que aos poucos eu iria me adaptando novamente e que teria uma espécie de amnésia que iria desaparecendo com o tempo e dando lugar as minhas lembranças.

Ainda pensando a respeito de tudo, não notei a enfermeira entrar na sala. Aliás esta enfermeira era bem diferente da que estava me tratando, era muito bonita com cabelos louros escuros, corpo muito belo, olhos claros e uma boca cativante. Ela me olhou com um ar sério e começou a falar.

― Sr. Alberto, estou aqui para salvá-lo.

― Como é que é? perguntei espantado ― salvar de que?

Ela lentamente tirou a roupa de enfermeira, revelando um conjunto de duas peças negro, que mostrava quanto realmente ela era bonita. Estava com série de aparelhos pequenos presos ao corpo e usava dois cintos iguais, cheio de botões na fivela. Parecia carregar uma arma num coldre amarrado em sua bela coxa.

― Sou Samira, do Exército de Libertação Dimensional ― disse apresada tirando um dos cintos ― vim aqui levá-lo para um lugar seguro.

― Peraí que história é essa? perguntei espantado

― O senhor ― aproximou-se de mim e me deu o cinto ― vista o cinto ― disse ― é um de nossos heróis, pois conseguiu mudar o rumo de vários universos, antes que a guarda dimensional o fizesse.

― Quer dizer que tudo é verdade ― pegara o cinto ― pera aí e Bardon ?

― Como o senhor não sabia dos fatos, ele foi enviado para confundí-lo e traze-lo para um universo que não era o seu para matá-lo.

― Matar-me  ?― isto não faz sentido ― eu sofri um acidente de carro e estou aqui.

― A idéia é fazer com que o senhor se sinta seguro e depois de um tempo vão eliminá-lo.

Comecei a duvidar daquilo tudo. O que estava acontecendo?

― Vista―se ela falou ― seu rosto denotava pressa ― vamos sair daqui...

De repente a porta abriu e surgiu nada mais nada menos que Bardon!

― Pare, você não pode levá-lo ― gritou ― ele é muito importante!

― Bardon ― berrei ― o que está acontecendo? perguntei

― Calma Alberto ― ele falou ― esta mulher é louca e...

Sem perceber a mulher sacou uma arma e apontou para Bardon, fazendo que ele caísse ao chão, gritando de maneira horrenda. A mulher rapidamente colocou o cinto em mim enquanto eu estava deitado e apertou um botão no mesmo. A sala, ela e tudo a minha volta desapareceram dando lugar a um recinto abafado cheio de aparelhos e diversas portas. Haviam dois homens de meia idade, notei que Samira surgira em seguida ao meu lado. Estava sentado no chão com a roupa do hospital ainda. Um dos homens correu em minha direção e me ajudou juntamente com Samira a me levantar.

― Senhor Alberto é uma honra conhecê-lo ― disse ― sou Aristides, líder do Exército de Libertação Dimensional, conseguimos libertá-lo dos tiranos.

― Por favor ― iniciei ― o que está acontecendo, isto faz parte da simulação?

― Nunca existiu simulação ― disse ― queriam apagar do senhor as suas lembranças, mas não conseguriam. Custamos a encontrá-lo, mas Samira conseguiu que o localizassemos.

― Onde estou?

― O senhor está num intervalo entre dimensões ― disse ― um limbo onde temos nossa base, aqui recrutamos diversas pessoas em diferentes universos, para lutar contra a guarda dimensional.

― Guarda dimensional?

― A guarda é uma entidade que mantem o rumo dos diversos universos em várias dimensões. O senhor conseguiu com suas viagens quebrar a hegemonia da guarda e causar várias vitórias para o nosso lado.

― O que? a coisa ficava cada vez mais complicada em minha cabeça.

― O senhor foi trazido para cá com o nosso mecanismo de transporte, este cinto que Samira colocou no senhor ― apontou―me.

― Mas o que eu fiz para toda esta confusão acontecer?

Samira adiantou-se

― O senhor foi por engano colocado para viajar entre dimensões, ou melhor universos alternativos. ― disse ― como os guardiães, nós estavamos atrás de você, só que eles obtiveram sucesso, mas conseguimos recuperá-lo.

― Então o senhor está agora conosco são e salvo ― complementou Aristídes

― Mas então como é que...

Um clarão do nada surgiu e d elá de dentro apareceream dois homens e uma outra mulher (também tão bonita como Samira), vestindo mantos amarelos, apontando armas para nós todos.

― Afaste―se Alberto, estes homens são farsantes ― berrou um dos homens ― somos do Exército Revolucionário Polidemnsional, viemos aqui libertá―lo !

Olhei incrédulo, o que diabos estava acontecendo !

― Não ligue para eles Alberto! ― berrou Aristídes ― eles são bandidos dimensionais!

― Mentira, Aristídes mente, você Alberto representa nossa salvação, venha conosco !

― Esperem, mas que porr...

Outra clarão e um grupo de mulheres vestindo trajes mínimos e também armadas, apareceu.

― Alberto fuja destes bandidos, somos as Amazonas Dimensionais e estamos aqui para salvá-lo !

A confusão estava armada naquele ambiente, alguns instantes depois surgiram mais pessoas das diferentes "facções dimensionais", me elegendo com salvador (um deles me chamava de São Alberto !). Eles começaram a discutir e os ânimos estavam cada vez mais acirrados. Notei que esqueceram de mim e estavam cada vez mais concentrados em xingar uns aos outros.

Aproveitando disso peguei o cinto e notei que ele tinha um mostrador digital com estranhos símbolos. Vi que eles podiam ser modificados para diversas formas diferentes e selecionando uns ao acaso, apertei o botão que Samira tocara. O ambiente a minha volta desapareceu e me vi numa bela praia a noite.

***

Dois anos se passaram desde que fora "salvo" pelas facções dimensionais (era assim que eu os chamava agora) e com o cinto estava viajando entre universos. Consegui em diversos deles informações e diversas maneiras de me disfarçar e fugir de meus perseguidores.

Estava com uma cara nova (não queria mudar de sexo, apesar de saber que havia uma realidade que permitia fazer isso), e já mapeara cerca de 50 realidades diferentes, das quais passeava de vez em quando. Já tinha duplicado o mecanismo do cinto fabricando diversos deles e colocando―os em lugares seguros caso precisasse. Minha vida é engraçada, já fiz várias coisas, inclusive encontrei Samira numa realidade e a seduzi, tornando―a minha amante sem saber que eu era quem ela procurava (eu estava doido para "transar" com ela desde que a conhecera).

Muitas vezes esbarrava com membros das facções e até da guarda, mas nunca me revelava por motivos óbvios. Agora estou numa realidade que as viagens espaciais são uma realidade, por isso vou dar uma escapada da Terra, para conhecer o Cosmos, e quem sabe estes caras finalmente vão esquecer de mim.

Agora uma pergunta até hoje não me foi respondida : quem me colocara nesta confusão?





"Antonio Marcelo — é autor de 14 livros sobre Linux e mantenedor dos projeto HoneypotBR (http://www.honeypot.com.br) Ávido leitor de FC e tem como autores preferidos : Philip K. Dick, Robert Silverberg, Robert Silverberg, Robert Heinlein e Isaac Asimov. Além de adorar escrever, tem sua segunda paixão, o mergulho, que descobriu recentemente. Aguarda a opinião de todos sobre este singelo trabalho no email : amarcelo@plebe.com.br





 

Queremos saber o que achou do conto
 correio-eletrônico para:cartas@scarium.com.br


Topo da Página
[ Capa | Artigos | contos| Scarium E-book]

 


contador free