Expediente

    Assinatura

    Troca de endereço
     Números atrasados

    Assessoria de Imprensa
    Jornalista Responsável

    Editor

    Co-editor

    Co-editora

    Publicidade

O mesmo

Mão Branca

::04/02/2008 ::

 

"Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se neste andar" Lei/DF Nº 3212 de 30.10.03

Li o aviso na porta do elevador e ri-me dele como sempre faço. Uma menina de oito anos despencou no fosso de seu prédio, após abrir a porta do elevador e correr inadvertidamente para dentro. Foi o suficiente para a corrupta Câmara Distrital promulgar a óbvia lei: veja se tem elevador antes de pular no fosso.

— É uma ótima lei! — Explicou-me um empresário que confecciona placas publicitárias. — Vendi uma placa para cada elevador da cidade. — Ele só deixou de me contar que era primo do deputado que propôs a lei.

Entrei no elevador ainda sorrindo.

— Tá rindo de quê? — Perguntou o vizinho do andar de cima. Barulhento e peidorrento, tem mania de andar com os sapatos de salto da mulher quando ela está fora.

— Do mesmo. — Respondi.

— Do mesmo o quê? — Insistiu.

— Do mesmo que ri ontem, — provoquei sua curiosidade. — quando entrei no elevador. — Você tá me sacaneando?

— Não. — Ele não entenderia a brincadeira. Um homem que se banha após trepar com a própria mulher não merece muita consideração. — Eu estava rindo do aviso nas portas dos elevadores.

— Ah, o criminoso.

— Criminoso? — Não entendi.

— Você não acha que criaram a lei apenas por causa da menina que caiu no fosso, não é? Assenti.

— Não seja tão simplório, meu caro. — o vizinho passou o braço pelo meu ombro. Ele é bem mais baixo e seu sovaco suado lambuzou minha espátula. — Há mais mistérios ao nosso redor do que sonha nossa limitada imaginação.

— Do que você tá falando?

— Não posso contar aqui. — Ele protegeu a boca para falar. Olhou para os lados, desconfiado. Apontou a câmara filmadora sobre a porta. — O Mesmo tem ouvidos por todos os lados?

— O mesmo?

— Shhhh. — O vizinho tapou minha boca com sua mão úmida e com dedos pequenos e gordos. — Não fale esse nome aqui dentro. Procure mais informação.

Desceu no térreo sem me olhar novamente. Sua figura lembrava Alfred Hictcook de camiseta e chinelo após cometer um assassinato cinematográfico.

Por mais idiota que a história me parecesse, fiquei com aquilo na cabeça.

Na repartição, esperando o elevador chegar, cercado de anônimos servidores públicos como eu, avistei um conhecido.

— Pêra, o que você sabe sobre essa lei distrital que obriga todos os elevadores a terem um aviso na porta? — Perguntei.

— Uma menina caiu num fosso de elevador, então...

— Não, — interrompi — quero saber a história do tal o Mesmo.

— O Mesmo? Que mesmo?

Notei que algumas pessoas nos olharam assustadas, outras levantaram os olhos apreensivamente, a maioria se afastou deixando-nos numa clareira na multidão.

O dia correu tranqüilo e chato, como todos os dias, porém ao fim da tarde a secretária entrou esbaforida na sala.

— O doutor Pêra foi atacado aqui no prédio! — Disse num espasmo. — Ele foi levado de ambulância para o hospital.

— O que aconteceu?

— Ninguém sabe ao certo.— Ela fez uma pausa para centralizar minha atenção na próxima parte da fofoca. Secretárias são muito eficientes na comunicação sobre a vida alheia. — Ele ficou gritando "tá apertado, tira daí" até os enfermeiros o sedarem.

— Está muito machucado?

— Parece que não. — A secretária então assumiu um ar misterioso e estendeu-me um pedaço de papel. — Ele deixou isso para o senhor.

No papel havia um endereço da internet: www.omesmo.cjb.net. Acessei a página. Uma denúncia alertava sobre o Mesmo. Era um criminoso que atacava as pessoas que invocavam seu nome durante as viagens de elevador. Havia até algumas fotos borradas do meliante, provavelmente feitas através de um olho mágico. "O Mesmo age como um fantasma", dizia a página. Não haviam relatos dos ataques pois suas vítimas se recusavam a contar o acontecido.

— Que loucura é essa?

Continuei a leitura; ninguém havia visto seu rosto, nem era sabido se era apenas um bandido ou haveriam cúmplices. Desconfiava—se que se tratasse de um grupo terrorista que pretendia criar uma figura lendária, um mito, para depois usá—lo como mártir de sua causa.

Alguns deputados distritais haviam sido atacados, dizia a página. Temendo pela população e sem querem alardear os verdadeiros fatos, os deputados decidiram implantar o aviso na porta dos elevadores. A justificativa era que ainda que não explicassem a verdadeira intenção da placa, a simples preocupação com a presença do delinqüente já era suficiente para dificultar suas ações ilegais.

— Mas, afinal, o que esse o Mesmo faz com suas vítimas?

Procurei meu conhecido, o Pêra, mas ele preferiu guardar silêncio.

— Não quero falar sobre o assunto. — Disse, ríspido.

— Ajude—me, Pêra. — Pedi humildemente. Ele soltou o ar dos pulmões em consentimento.

— Ele usa uma camisa branca escrito "O Mesmo".

Durante semanas tentei encontrar mais informações. Senti um certo temor entre as pessoas ao tratar do assunto. Suas vítimas não se revelavam abertamente, eu percebia que tentavam me dissuadir de minha busca. Um dia, com a história meio esquecida nos meus arquivos cerebrais, julguei ver alguém me encarando em frente ao elevador do shooping que eu estava. Procurei entre as pessoas o sujeito que me olhava mas não o avistei novamente. Ele me pareceu estar de camiseta branca porém não tive certeza. O elevador chegou e logo ficou lotado. Gentilmente me ofereci para esperar o próximo. Acabei ficando sozinho no andar.

— Quase entrei no elevador sem verificar se o Mesmo estava aqui. — Comentei em voz baixa. Desde que meu vizinho falou do meliante nunca mais entrei num elevador sem olhar para os lados.

Subitamente senti uma presença atrás de mim. Olhei de soslaio e vi um sujeito da minha altura, usando uma camiseta branca. O calafrio atingiu minha coluna e subiu até o pescoço, travando—o. Tentei olhar novamente a camisa. Não consegui; fui atacado antes de ver o que estava escrito, mas posso jurar que era "O Mesmo". Senti as hábeis mãos do criminoso penetrando o cós da minha calça, pelas minhas costas, e encontrando a borda da minha cueca. O primeiro puxão esmagou minhas bolas, separando-as em hemisférios e tendo a cueca como a linha do Equador. O segundo puxão fez o Equador, ou melhor, a cueca escorrer pelo ânus e separar as nádegas de maneira, talvez, definitiva. O terceiro e último puxão foi seguido de um "click" e uma risada. Ainda consegui ver o bandido descendo as escadas às gargalhadas antes d'eu desmaiar de dor.

Quando fui acordado pelos transeuntes, dolorido, vi que o Mesmo quase havia arrancado minha cueca pela cabeça, levantando—a ao máximo e a prendendo com um alfinete de pressão, o "click" antes do desmaio. Meus testículos estavam inchados e minhas nádegas não seriam mais tão estreitas. Recompus-me do jeito que deu e fui embora para casa.

Encontrei o vizinho de cima.

— Como andam as coisas? — Fez cara de suspense. — Achou o que procurava?

Pensei em contar-lhe que o criminoso não passava de um levantador de roupas íntimas, um puxador de cuecas, um tarado que se especializou em içar as cuecas e calcinhas pelas costas de suas vítimas, atordoando—as com a dor, o susto e principalmente a humilhação. Lembrei da lenda que dizia que o Mesmo tem ouvidos por todos os lados.

— Não.

O vizinho me olhou de baixo para cima. Incomodou-me aquele olhar. O homem limpa a bunda com o chuveirinho da privada e geme de prazer quando a água escorre pelo seu rego. Que moral ele possuía para me avaliar?

— Sei. — Abraçou-me novamente e encostou o sovaco molhado no meu ombro. — Uma dica: não se meta com "aquele que não devemos falar o nome".

Cheguei ao meu apartamento, procurei uma camiseta velha e branca, risquei umas palavras na frente e esperei em silêncio no apartamento. Alguns minutos depois escutei o vizinho caminhando pela sua sala e girando a chave da porta da frente. Vesti rapidamente a camiseta e corri para as escadas. Subi vagarosamente os degraus até ver por uma pequena fresta o vizinho esperando o elevador.

O botão iluminado acendeu, mostrando que o elevador havia chegado ao andar. De sopetão, pulei os degraus que faltavam e cheguei às costas do vizinho antes que ele notasse minha presença. Enfiei as duas mãos por dentro da sua bermuda, segurei a cueca e a puxei para cima com toda minha força.

— Ugh! — Gemeu o vizinho. Puxei pela segunda vez e percebi que ele parou de respirar. No terceiro puxão senti que seu corpo amolecia. Ele havia desmaiado. Acomodei-o no chão e fugi às gargalhadas.

Voltei ao meu apartamento certo de não ter sido seguido. Sorri satisfeito por me vingar do meu chato vizinho. Foi assim que acabei por me tornar mais um o Mesmo!


Imprimir esta página


 

Queremos saber o que achou do conto
 correio-eletrônico para:cartas@scarium.com.br


Topo da Página
[ Capa | Artigos | contos| Scarium E-book]

 


contador free