Scarium HomePage  
Scarium Ficção Fantástica
http://www.scarium.hpg.com.br 

A maior extinção

   
 

Mário Eugênio Saturno

Sabemos que os dinossauros foram extintos há 65 milhões de anos e, agora, estamos descobrindo uma nova e maior tragédia ocorrida na passagem do permiano e triássico, há 250 milhões de anos (250.000.000 anos, é mole?). Durante o período permiano havia um sistema bastante complexo. É o que se descobriu.

Vinte anos atrás um fazendeiro encontrou uma pegada, dez anos depois um geólogo viu a pegada e a levou à Universidade de Bristol. Iniciou-se o longo caminho a descobertas não imaginadas. Descobriu-se espécies desconhecidas, os répteis estavam tornando-se mamíferos.

Entre esses "proto-mamíferos" encontramos o nomeado listrossauro, porco pré-histórico, e o terapsídeo, besta arqueada. Eram muito mais avançados que os dinossauros. Entre as vantagens, tinham o queixo móvel, que permitia mastigar e triturar, e uma dentição mamífera. Estranhas criaturas viviam nessa época, são os nossos ancestrais.

Após uma longa espera na fila de um hospital, um pesquisar realizou uma tomografia computadorizada de um fóssil de terapsídeo e constatou que eles provavelmente tinham ossos aerados, na região nasal, utilizados para aquecer o ar que entra nos pulmões.

As escavações revelaram a maior tragédia acontecida para a vida na Terra. Algo aconteceu, extinguindo quase toda a vida terrestre e 90% da vida nos oceanos. Mas o que teria ocorrido? Teria um asteróide atingido o planeta como ocorreu com a extinção dos dinossauros? Nenhuma cratera dessa época ou evidência foi encontrada! Seria uma grande atividade vulcânica?

Os pesquisadores resolveram fazer a datação por carbono 14 e constataram que as mudanças ambientais demorou cerca de 100.000 anos. Hoje acredita-se que a causa foi o movimento das placas tectônicas, ou seja, há 350 milhões de anos todos os continentes fundiram-se em um único, a Pangéia. Os mares internos secaram formando o supercontinente. Sem as linhas costeiras e a água (que é estabilizador da temperatura) para amenizar a temperatura a Pangéia tornou-se um grande deserto.
O aumento da temperatura fez com que o calcário nas margens costeiras dissolvessem na água do mar transformando-se em ácido carbônico. A acidez provocou a grande extinção marinha. Quando o ácido carbônico evapora, torna-se gás carbônico (CO2) que por sua vez provoca o efeito estufa aquecendo ainda mais o planeta.

Toda a fantástica evolução mamífera foi interrompida, encerrando uma página da história. Desses, somente o listrossauro sobreviveu, juntamente com alguns répteis e umas poucas plantas. Após dez milhões de anos, os listrossauros tornaram-se roedores, depois esquilos, lêmures, macacos e, finalmente, humanos. Já os répteis deram origem aos dinossauros, cada vez maiores e mais terríveis.

A extinção faz parte da história da vida na Terra. Já ocorreram cinco extinções. A última foi há 65 milhões de anos, a dos dinossauros. Uma comparação com a extinção do permiano faz refletir que talvez estejamos entrando na sexta extinção em massa. E talvez nós próprios não sobrevivamos!

Quando eu era criança, aprendi de meus professores que se deve estudar história para não cometer o mesmo erro de outros. Por isso torna-se importante que cada cidadão esteja atento ao que já aconteceu a outras espécies em eras passadas e pense no futuro das gerações humanas vindouras...

 

 

 

Mário Eugênio Saturno
 é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Professor da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Catanduva (FAFICA) e Congregado Mariano.

saturno@dea.inpe.br

 

Do mesmo Autor:

O Asteróide Assassino

Ouvir Vozes

A Inquisição e Galileu

A ciência de einstein

 

Leia também:

Vale a pena investir em missões espaciais?

JJosé Roberto de V. Costa

 

 

 

 

www.digits.com

voltar para artigos | voltar para a capa
 

www.scarium.com.br
 - - Revista independente de ficção científica, horror, fantasia e Mistério - -
Todos os direitos reservados
©2002 Scarium Megazine