Scarium HomePage  
Scarium Ficção Fantástica
http://www.scarium.hpg.com.br 

A ciência de Einstein

   
 

Mário Eugênio Saturno

Vivemos em um planeta pequeno e insignificante do sistema solar, que gira sobre si próprio (com duração de 24 horas e que define um dia) e circula um sol mediano (em 365 dias) localizado na periferia da Via-Láctea. O sol, por sua vez, move-se com as outras estrelas da galáxia. As galáxias influem nos movimentos umas das outras.

As estrelas que vemos no nosso céu são as mais próximas, apenas uma pequena fração da imensidão de nossa galáxia, formada por 400 bilhões de estrelas. Vixe! A estrela que está mais perto de nós, do nosso sistema solar, é a chamada estrela Alfa da constelação do Centauro ou, simplesmente, Alfa-Centauro. Essa estrela está a uma distância de 4,5 anos-luz, ou seja, a luz que sai de nosso sol (a 300.000 Km/s) leva quatro anos e meio para chegar lá, barbaridade! A espaçonave que o homem já construiu e enviou ao espaço são as Voyager I e II, cuja velocidade é, aproximadamente 10.000 vezes mais lenta que a luz. Se enviássemos uma Voyager para Alfa-Centauro, a viagem demoraria mais de 40.000 anos. Uau! Longe, não?

Somos viajantes do espaço, vivemos na espaçonave Terra. Também somos viajantes do tempo, sempre ao futuro, o que fazemos hoje tem conseqüências. Todos esses conceitos perturbaram o ser humano por séculos. O tempo e o espaço começaram a ser entendidos em 1.895, na Toscana, norte da Itália. Foi aí que se refugiou um jovem alemão, considerado uma nulidade sem futuro e ruim para a disciplina por seu professor. Em solo italiano, mais liberal que o alemão, o jovem começou a refletir sobre a velocidade da luz. Pensava ele: para medir a velocidade da luz precisamos de uma referência, porém todas as referências estão em movimento. Esse adolescente problemático era Albert Einstein. Suas dúvidas mudaram o mundo.

A velocidade da luz exige algumas reflexões. Todas as imagens do mundo são feitas de luz e são transportadas à velocidade de 300.000 Km/s. O senso comum acredita que para um objeto em movimento, por exemplo um carro a 100 Km/h, a sua imagem viajaria à velocidade da luz somada à do objeto. Mas o senso comum está errado, visto que, quando observamos ou assistimos a um filme de um choque entre dois objetos com velocidades diferentes vemos tudo acontecer ao mesmo tempo.

Isso acontece com a velocidade do som no ar, como observamos dentro de um carro em movimento ou parado, a buzina ou o ruído do motor tem um som característico. Se estivermos fora e o carro em movimento, observamos duas situações distintas: vindo em nossa direção, a buzina e o ruído tornam-se mais agudos e se afastando, tornam-se mais graves. A velocidade do som permaneceu a mesma, porém a velocidade do carro e do observador alterou a freqüência (tom) do som. Isso também acontece com a luz que não tem sua velocidade afetada pelo objeto em movimento mas sim seu matiz, sua cor, azula ao aproximar-se, avermelha ao afastar-se. É mais simples do que parece, não acha?

Estava descoberta a Teoria Especial da Relatividade. E, com ela, um limite de velocidade para o universo, nada pode ser mais rápido que a luz. Ao aumentar sua velocidade, parte da energia faz o objeto ganhar massa e quanto mais se aproximar da velocidade da luz maior será a massa adquirida, tornando impossível atingir a velocidade da luz.

Outro fato acontece ao se aproximar da velocidade da luz, a velocidade dos mecanismos, sejam físicos ou químicos, tornam-se mais lentos. Ou seja, o relógio mecânico, eletrônico ou biológico anda mais devagar, o tempo torna-se vagaroso em relação a nós aqui. Em uma viagem às estrelas próximas, um astronauta, pai de um bebê, ao voltar, veria seu filho bem mais velho.

Essas fantásticas descobertas teóricas foram comprovadas logo nas primeiras décadas de nosso século abrindo um novo rumo em nossas vidas.

 

 

 

Mário Eugênio Saturno
 é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Professor da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Catanduva (FAFICA) e Congregado Mariano.

saturno@dea.inpe.br

 

Do mesmo Autor:

O Asteróide Assassino

Ouvir Vozes

A Inquisição e Galileu

A maior extinção

 

Leia também:

Vale a pena investir em missões espaciais?

JJosé Roberto de V. Costa

 

 

 

 

www.digits.com

voltar para artigos | voltar para a capa
 

www.scarium.com.br
 - - Revista independente de ficção científica, horror, fantasia e Mistério - -
Todos os direitos reservados
©2002 Scarium Megazine