Scarium HomePage  
Scarium Ficção Fantástica
http://www.scarium.hpg.com.br 
A ameaça constante    
 
 

José Roberto Costa

As chances são de uma em duzentos e cinqüenta mil. É um palpite e tanto, mas nunca se sabe. Em 9 de julho de 2002 astrônomos descobriram o asteróide 2002 NT7, uma rocha com 2 km de extensão com uma curiosa órbita. Ao contrário da maioria dos outros asteróides que circundam o Sol mais ou menos no mesmo plano dos planetas, 2002 NT7 segue sua trajetória de 837 dias numa órbita inclinada em 42 graus. A maior parte do tempo ele está acima ou abaixo do Sistema Solar, mas a cada 2,29 anos ele passa de um lado a outro, cruzando o plano dos planetas. E é aí que está o perigo!

        Depois de seguí-lo por alguns dias, pesquisadores de fato encontraram uma chance em duzentos e cinqüenta mil desse asteróide atingir a Terra precisamente no dia 1º de fevereiro de 2019. Mas as chances não são somente pequenas, são incertas. O objeto foi seguido por apenas 17 dias e predições mais confiáveis requerem muito mais observações.

        O programa da NASA que patrulha objetos perigosos nas vizinhanças da Terra - NEO, abreviatura de Near Earth Object - deu a 2002 NT7 a classificação “1” na escala Torino, que vai de zero a dez e avalia o risco potencial desses objetos. Isso significa que este asteróide deve continuar sendo monitorado, mas não merece grande preocupação.

Apesar das chances serem reduzidas, se 2002 NT7 colidisse com o nosso planeta em 2019 ele o faria a uma velocidade de cerca de 28 km/s, o bastante para causar destruição em massa no local de impacto, proporcionar uma mudança no clima global ou tsunamis (ondas gigantes que cruzam oceanos) altamente destrutivos.

Poderíamos evitar catástrofes como essa? Talvez. De qualquer forma atualmente não há nenhuma ação pronta para responder a uma emergência desse tipo. Muitas têm sido as propostas para interceptar, desviar ou destruir um asteróide em curso de colisão real com a Terra. Nada foi de fato implementado, exceto o programa de monitoramento (que precisa de mais recursos para continuar funcionando).

        Além disso, a aproximação de um objeto potencialmente perigoso nem sempre pode ser antecipada em anos. Há pouco mais de um mês uma rocha do tamanho de um campo de futebol passou a menos de um terço da distância Terra - Lua. O objeto aproximou-se contra a luz do Sol e só foi percebido quando estava indo embora. Se nos pegasse de surpresa, onde caísse seria como a explosão de uma bomba nuclear de grande porte (sem os efeitos da radiação).

        É importante que se continue monitorando e rastreando esses objetos. Parece que uma colisão é algo que nunca vai acontecer, seja porque não aconteceu recentemente ou porque a última ocorrência foi há muitos milhões de anos. Mas não é bem assim. Faz menos de cem anos quando um fragmento de cometa ou asteróide penetrou na atmosfera terrestre e explodiu cerca de 8 km acima das florestas as margens do rio Tunguska, na Sibéria.

Aquele foi o dia 30 de junho de 1908. Centenas de quilômetros quadrados de floresta foram arrasadas. As ondas de choque foram detectadas na Inglaterra, Estados Unidos e Jacarta. Mais tarde descobriu-se que o objeto tinha apenas 60 metros de comprimento. Ainda restam vestígios da explosão que aparentemente não teve vítimas humanas, pois não havia povoados naquela parte do planeta. Uma sorte que hoje não temos mais, pois nossa espécie é bem mais numerosa e ocupa muito mais espaço que no início do século passado.

 

 

 

José Roberto de V. Costa

Do site Astronomia no Zênite

 http://www.zenite.nu

 

 

Do mesmo autor:

Vale A pena investir em missões espaciais?

A sociedade Planetária

A grande jornada

 

Leia Também

O Asteróide Assassino
Mario Eugênio Saturno

Ouvir vozes
Mario Eugênio Saturno

 

 

 

 

 www.digits.com

voltar para artigos | voltar para a capa
 

www.scarium.com.br
 - - Revista independente de ficção científica, horror, fantasia e Mistério - -
Todos os direitos reservados
©2002 Scarium Megazine