Expediente

    Assinatura

    Troca de endereço
     Números atrasados

    Assessoria de Imprensa
    Jornalista Responsável

    Editor

    Co-editor

    Co-editora

    Publicidade

A Coluna de Antonio Olinto

>> Artigos Fantásticos

Memória: Um interessante artigo do escritor Miguel Carqueija, que resgata um pouco da memória da ficção científica.

Miguel Carqueija - 22/01/2008

Nas décadas de 50 e 60, como todos aqui sabem, ocorreu um florescimento de publicações de ficção científica no Brasil, tanto estrangeira como nacional,.e este período ficou conhecido como a "Geração GRD", porque a liderança destas iniciativas foi do editor Gumercindo Rocha Dorea, embora outros editores também tenham dado apoio à FC brasileira (como a Edart).

Entre os escritores nacionais que produziram FC na época, é possível que Antonio Olinto seja o mais antigo ainda em atividade. Ele participou de duas antologias das Edições GRD, Antologia Brasileira de Ficção Científica e Histórias do Acontecerá. Diplomata e crítico literário, Olinto mantinha na época a Porta da Livraria no jornal carioca O Globo, talvez a mais prestigiada coluna de crítica literária da imprensa brasileira. Ele sempre se destacou pelo caráter substancial de sua crítica, na qual colocava verdadeiro estilo próprio, era pertinente e criterioso na escolha dos temas. Olinto comentou na época O terceiro planeta, de Levy Menezes, e 1984, de George Orwell. Bem mais tarde, prefaciou a coletânea Contos do Amanhã, de sua esposa Zora Seljan, editada em 1978.

Apesar dos seus conhecimentos sobre a ficção científica, hoje Olinto seria classificável na definição criada por Gerson-Lodi Ribeiro, "MPF" (mortos para o fandom).

Atualmente Antonio Olinto assina a sua coluna de crítica no tabloide "Tribuna Bis" que acompanha a Tribuna da Imprensa, do Rio, saindo às terças-feiras e ocupando página inteira.

No dia 15 de janeiro de 2008, publicou o artigo Inédito de Cecília Meireles, focalizando o livro Episódio Humano, lançado agora por duas editoras (ou seja uma co-edição), Batel e Desiderata, e aproveitando material em prosa que a autora publicou entre 1929 e 1930 no O Jornal, mas que permanecia inédito em livro.

Os textos críticos de Olinto costumam ser muito oportunos e esclarecedores, como se vê neste que se refere a um monumento da cultura nacional que é Cecília Meireles. Olinto também é um notável exemplo de personalidade que prossegue em plena atividade (no caso intelectual) já em idade avançada, algo que está se tornando cada vez mais corriqueiro (se prestarmos atenção em quantas pessoas com mais de 70 anos se destacma no mundo moderno).


contador free